Telefone: (16) 3383-2500
Agendamento de Exames: (16) 3506-5500

‘Novembro Azul’ destaca prevenção ao câncer de próstata

Novembro azul destaca prevenção ao câncer de próstata

A cada hora, sete homens recebem o diagnóstico da doença

O Hospital Carlos Fernando Malzoni em parceria com o Instituto Oncológico de Ribeirão Preto, Inorp-Oncoclínicas, iniciaram a campanha ‘Novembro Azul’, que é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata que atinge homens em uma prevalência maior acima dos 50 anos. Desta vez, as fachadas do hospital receberam as cores azul e fitas alusivas à campanha estão sendo distribuídas aos homens.O Inorp-Oncoclínicas divulgou este mês os dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) sobre o câncer de próstata e revelaram um quadro preocupante: até o final do ano estima-se que o biênio 2018-2019 terá 68.220 novos casos da doença. Tal número corresponde a sete casos a cada hora, somando 31,7% dos diagnósticos de todos os tipos da doença registrados no país, fazendo deste o mais incidente entre os homens depois do carcinoma de pele não-melanoma.Segundo o oncologista clínico do Hospital Carlos Fernando Malzoni e diretor técnico do Inorp-Oncoclínicas, Diocésio Andrade, homens que estejam na faixa de risco, ou seja, acima de 50 anos, precisam discutir com seu médico sobre o rastreamento e os exames necessários para evitar a doença. “Em geral todos os homens devem fazer acompanhamento anual e realizar o exame de toque retal, pois se trata do único exame considerado eficaz e capaz de detectar a doença com precisão”, explica. Diocésio lembra que no caso do câncer de próstata, é necessário a cirurgia ou radioterapia e, dependendo do resultado, a hormonioterapia. Ele alerta ainda que, a incidência do câncer precoce, em geral, surgem em pessoas negras, e muitas vezes, de forma mais agressiva, como aponta dados epidemiológicos recentes divulgados nos Estados Unidos, portanto, independente da idade, a recomendação é que os homens falem sobre o assunto com seu médico .Um dos principais obstáculos na prevenção e detecção desse tumor, e outros que afetam apenas a população do gênero masculino, é exatamente o preconceito. Diocésio relata que esse é um fato visível ainda nos dias de hoje. “Existe muito preconceito em relação ao exame de toque retal, e isso precisa mudar , por isso, campanhas como o ‘Novembro Azul’ são extremamente importantes para desmistificar isso, pois, a medida que os homens têm o conhecimento, cada vez mais, da sua importância para curar a doença, em caso de diagnóstico, menos preconceito e mais consciência terá”, afirma. O exame de toque retal com a avaliação do PSA, é fundamental para diagnosticar o tumor em estágio inicial e salvar essas vidas”, conclui.Ainda segundo informações do Inorp-Oncoclínicas, uma pesquisa realizada em 2017 pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), encomendada pelo Datafolha, indicou que 21% do público masculino acredita que o exame de toque retal“não é coisa de homem”. Considerando aqueles com mais de 60 anos (grupo de risco), 38% disseram não achar o procedimento relevante. Outro dado do IBGE mostrou que aproximadamente 5,7 milhões de homens de 50 anos ou mais realizaram exame físico ou de toque retal nos 12 meses anteriores à pesquisa, equivalendo a apenas 25% dessa faixa de idade. A relação mais importante, porém, relacionada aos homens parece ser diagnóstico precoce e o autocuidado proativo e preventivo, algo que não é comum no público masculino, tradicionalmente reticente e orgulhoso para procurar atendimento especializado e compartilhar suas fragilidades. Não à toa, 70% das mulheres comparecem às consultas médicas do parceiro segundo levantamento realizado pelo Centro de Referência em Saúde do Homem do Estado de SP.

 

IV SINPACI aborda novas tecnologias

No último dia 26 de outubro, o Hospital Carlos Fernando Malzoni, por meio do seu Instituto Cardiovascular, realizou o IV SINPACI (Simpósio Nordeste Paulista de Cardiologia Intervencionista), no Araucária Flat Hotel, em Araraquara. O evento, idealizado pelos médicos cardiologistas intervencionistas, João Orávio de Freitas Jr., Said Assaf e Sérgio Berti, chega em sua quarta edição, voltando os olhos da cardiologia intervencionista para o interior do estado. Na programação, além de nomes conhecidos na cidade como a superintendente do Hospital de Matão, Denise Minelli e o diretor técnico da instituição, Dr. César Minelli, renomados profissionais puderam compartilhar conhecimento científico de ponta.O objetivo do evento foi discutir os avanços e o futuro da cardiologia intervencionista, direcionando médicos e estudantes de medicina em três temáticas atuais como: a intervenção nos cenários de alto risco hemorrágico; as fronteiras no manejo da doença coronária obstrutiva; e a intervenção percutânea nas cardiopatias estruturais (TAVI).Para o coordenador do Centro de Hemodinâmica de Matão, Dr. João Orávio de Freitas Jr., encontros como esse são fundamentais para atualização e debates de novas ideias. “O simpósio proporciona aos cardiologistas e demais profissionais da saúde da região o acesso a informações atualizadas sobre temas importantes da cardiologia intervencionista. Contamos com a presença de médicos que são referências na área para transmitir esses conhecimentos aos cardiologistas”, comenta o hemodinamicista.Contemplando assuntos que vão desde o cardiologista clínico ao intervencionista, as discussões demonstraram que as novas tecnologias trouxeram mais segurança aos procedimentos. “Os stents foram ao longo do tempo ganhando melhorias tecnológicas em sua usinagem e confecção para maior biocompatibilidade e para que não cause doenças adicionais. Além disso, durante a adaptação, o paciente precisa tomar medicamentos para afinar o sangue, e com essa nova arquitetura do stent em apenas um mês ele já consegue suspender os medicamentos”, explica João Orávio.Destaque em mais um ano de Simpósio, o implante de válvula aórtica por catéter, que é realizado no Hospital de Matão e em outros hospitais da região, foi abordado pelo médico do corpo clínico da instituição, Dr. Said Assaf Neto, que destaca: “procedimentos como esse, que são intervenções percutâneas, sem necessidade de entubação ou sedação total, devem se tornar padrões, por isso, é importante trazê-los a eventos como esse”, ressalta.O evento de 2020 já tem data marcada, 26 de setembro. “Esperamos contar com grande público como esse ano. Acreditamos que é importante chegar até os médicos da região conhecimentos atualizados, para que eles possam ser disponibilizados para os pacientes, que são quem mais precisam”, encerra Orávio.

HOMENAGEM A FUMIO IWASHIMA Na ocasião, com a presença de membros do corpo clínico do hospital de Matão, o médico Fumio Iwashima, representado por sua filha, recebeu uma homenagem pelos 40 anos dedicados à instituição. A superintendente Denise Minelli ressaltou a importância em participar do evento. “Para nós, é motivo de muito orgulho realizar um evento de alto nível e com palestrantes renomados, ficamos em destaque e podemos mostrar aos presentes o trabalho que realizamos em nossa instituição.”, afirma Denise que ainda completa, “conseguimos fazer desse encontro um momento de celebração também, homenageando o cardiologista Fumio Iwashima, que fez história em nossa instituição, que esteve presente em todas as edições desse evento e que é muito querido por todos nós”, conclui.

Palestra encerra ‘Outubro Rosa’

O Hospital Carlos Fernando Malzoni, Inorp-Oncoclínicas, HSaúde e grupo de Trabalho de Humanização realizarão na próxima semana duas atividades para encerrar o ‘Outubro Rosa’. Na segunda-feira, (28), às 14h, haverá a palestra ‘Prevenção ao Câncer de Mama’, com a Dra. Cristiane Mendes, no Centro de Ensino e Pesquisa- CEP, rua Sinharinha Frota, 662 – Centro. No dia 30,quarta-feira, a partir das 18h, em uma parceria com a Academia Habitus, será oferecido uma aula de ‘Zumba’ em frente a fachada histórica do hospital. O evento é aberto ao público, a colaboração é um litro de leite e quem desejar participar, deve ir de preferência, vestidos com roupa cor-de-rosa. O objetivo é proporcionar atividade física e momentos de entretenimento à causa que é tão importante.

Esta semana os grupos de Trabalho de Humanização eAmigos da Saúde’, em parceria com Inorp-Oncoclínicas também articularam a visita do grupo ‘Amigas da Arte’ que presentearam as pacientes em tratamento com toalhinhas de rosto bordadas pelas voluntárias. A intenção do grupo é levar um pouco de carinho e conforto às pacientes. O Centro de Oncologia também recebeu balões coloridos para alegrar o ambiente. No dia 21 de outubro foram realizados exames de papa nicolau para as funcionárias do hospital. As atividades fazem parte do encerramento do ‘Outubro Rosa’, campanha de conscientização que tem como objetivo alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Primeiro procedimento de tratamento endovascular de aneurisma cerebral é realizado no Hospital Carlos Fernando Malzoni.

Primeiro procedimento de tratamento endovascular de aneurisma cerebral em um caso de hemorragia subaracnóide é realizado no Hospital Carlos Fernando Malzoni. Procedimento foi comandado pelo neurointervencionista Lucas Bonadio e contou com todo o suporte clínico e neurointensivo da UTI, coordenada pelo médico Dr. Flávio Borsetti. Mais um avanço em procedimentos de alta complexidade oferecidos aos pacientes de Matão e região. Parabéns a toda administração do Hospital e todas as equipes envolvidas!

Atividades destacam o Outubro Rosa

O Grupo de Trabalho de Humanização e ‘Amigos da Saúde’ do Hospital Carlos Fernando Malzoni , em parceria com Inorp-Oncoclínicas, receberam a visita do grupo ‘Amigas da Arte’ que presentearam as pacientes em tratamento contra o câncer com toalhinhas de rosto bordadas pelas voluntárias.A intenção é levar um pouco de carinho e conforto às pacientes. O Centro de Oncologia também recebeu balões coloridos para alegrar o ambiente. No dia 21 de outubro foram realizados exames de papa nicolau para as funcionárias do hospital. As atividades fazem parte do ‘Outubro Rosa’, campanha de conscientização que tem como objetivo alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Hospital realiza Campanha do Outubro Rosa

Neste mês, os colaboradores do Hospital Carlos Fernando Malzoni estão participando de mais um movimento do ‘Outubro Rosa’. A campanha de conscientização tem como objetivo alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Os funcionários de todos os departamentos estão se vestindo de rosa e utilizando a tradicional fita rosa para aderirem ao movimento. As fachadas dos prédios da rua Sete de Setembro e Sinharinha Frota também receberam uma iluminação especial. Vale ressaltar que o Hospital Carlos Fernando Malzoni em parceria com o Instituto Oncológico de Ribeirão Preto, Inorp-Oncoclínicas, possui o Centro de Oncologia que disponibiliza todos os procedimentos necessários para o tratamento contra o câncer, como quimioterapia e hormonioterapia, equipe médica altamente qualificada , além de oferecer acomodações confortáveis e devidamente equipadas com tecnologia de ponta. Atualmente conta com o oncologista clínico, Dr. Diocésio Andrade, que é diretor técnico do Inorp-Oncoclínicas, e com os cirurgiões oncológicos, Dr. Bruno Abade, especialista em câncer do aparelho digestivo e Dr. Rodrigo Michelle, especialista em Mastologia- área que cuida das mamas das mulheres. Todos eles já atuaram no Hospital do Câncer de Barretos, o que comprova a excelência destes profissionais que agora estão atendendo no Hospital de Matão. O Centro de Oncologia atende conveniados do HSaúde e demais convênios e particulares. Segundo Rodrigo Michelle, existem várias patologias que podem acometer as mamas, desde nódulos, cistos, e principalmente o câncer. “O câncer de mama é uma das doenças mais frequentes nas mulheres. É muito importante fazer exames de prevenção, pois detectando precocemente a doença, iniciamos imediatamente o tratamento, e sem dúvida, teremos melhores resultados e com grande chances de cura. Estamos no ‘Outubro Rosa’ está aí uma grande oportunidade das mulheres procurarem seu médico para fazer exames de prevenção”. Rodrigo explica sobre sua especialidade que é a Mastologia. “Nós atuamos aqui no hospital realizando também as cirurgias de reconstrução mamária, que está associada ao tratamento do câncer. Existem algumas situações onde a mulher precisa se submeter a tratamentos mais radicias, como por exemplo, a retirada de uma ou das duas mamas, e nestes casos, utilizamos técnicas de reconstrução mamária, como por exemplo com o implante de próteses, e desta maneira, conseguimos alcançar um resultado estético muito satisfatório”,finaliza.Levantamento realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), aponta que uma em cada 12 mulheres receberá o diagnóstico de câncer de mama ao longo da vida. Revelou ainda que o Brasil somará cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama em 2019, número que corresponde a 28% de todos os diagnósticos da doença registrados no país – o que faz dele o tumor mais incidente entre as mulheres depois do câncer de pele-não melanoma. Mundialmente os dados também são alarmantes: o câncer de mama afeta 2,1 milhões de pessoas por ano e é o quinto que mais mata, de acordo com o Globocan 2018, um estudo da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer. Neste sentido, um dos principais mecanismos de controle e identificação da doença ainda é a mamografia que, de acordo com o INCA, deve ser feita por todas as mulheres com mais de 40 anos. Todavia, é justamente na adesão a este exame de imagem que está um dos entraves para vencer a doença. A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 (PNS), a mais recente disponível no Brasil, aponta que 3,8 milhões de mulheres de 50 a 69 anos nunca realizaram mamografia, o que corresponde a 18,4% da população feminina nessa faixa etária. Controle de peso, alimentação balanceada, atividade física e exames periódicos de rotina, são aliados na luta contra a doença, que quanto mais precoce, tem mais chances de cura.

Fonte: Instituto Nacional do Câncer(INCA)

Pacientes recebem grupo ‘Pazlhaçada’ no Dia das Crianças

Por iniciativa do Grupo de Trabalho de Humanização do Hospital Carlos Fernando Malzoni, foi realizado entre os dias 07 a 12 de outubro, diversas atividades em uma semana dedicada às crianças. Atividades lúdicas, distribuição de brinquedos, lanches e muita música fizeram parte da programação. O objetivo das atividades é proporcionar alegria e descontração às crianças que se encontram internadas na instituição.As atividades começaram logo na segunda-feira pela manhã com a decoração da pediatria, que recebeu balões e fitas coloridas e contou com a participação dos colaboradores do hospital e mães dos pacientes. Na parte da tarde, voluntários da ‘Comunidade Viver’ realizaram atividades lúdicas com as crianças e distribuíram presentes, além de um delicioso lanche que foi preparado pela equipe de nutrição do Hospital. Na terça-feira teve interação com o Grupo ‘Pazlhaçada’ que levou diversão para a criançada. Na quarta-feira , os ‘Doutores da Beleza’ coordenados pela assistente social Maria das Graças Matos e voluntários do grupo ‘Comunidade Viver’ fizeram as unhas das crianças e distribuíram presentes. Na quinta-feira , alunos do 9º ano do projeto ‘COCART e Alegria’ ,do Colégio COC, distribuíram um Kit de livros e presentes às crianças. Na sexta-feira, foi organizado um teatrinho, momentos de leitura e distribuição de pirulitos de chocolate. As atividades foram organizadas pela Graça e a analista de contabilidade Tatiana Gaspar. No sábado pela manhã, as atividades foram encerradas com a visita do grupo ‘Pazlhaçada’, e desta vez vestidos de super-heróis. Eles percorreram setores da pediatria, pronto socorro, UTI Neonatal levando música e alegria as crianças e seus familiares. Houve também distribuição de sacolinhas com pipocas e doces. As atividades, em sua maioria, ocorreram no período da tarde, onde foi possível liberar a visita dos irmãozinhos das crianças internadas para participarem das brincadeiras. “A semana foi bem agitada, mas achamos muito positivo esse envolvimento de diversas equipes que nos auxiliaram todo o tempo. Proporcionar quebras de rotinas como essa são essenciais para a recuperação dos pacientes e qualidade do ambiente hospitalar”, ressalta Natália Ferrari

Veículo é doado ao Hospital de Matão

Na manhã da quinta-feira (10), o Hospital ‘Carlos Fernando Malzoni’ recebeu um automóvel modelo New Fiesta 2019, por intermediação do empresário Antonio Aparecido Galli junto a Ronaldo Lira, que é procurador do Ministério Público do Trabalho da 15ª Região, com sede em Campinas (SP). “O MPT formalizou acordo com a Ford, numa ação que envolvia questões de terceirização. A empresa se comprometeu a entregar automóveis, com garantia de fábrica, para entidades que deveriam ser indicadas pelo MPT e pela desembargadora Antonia Pestana, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região”, comenta Paulo Augusto Bernardi, diretor jurídico do hospital. “O veículo será utilizado em atividades como coleta externa de leite materno para o Banco de Leite, arrecadação de doações – especialmente a Nota Fiscal Paulista (NFP) – para transportes diários à Direção Regional da Saúde (DRS) em Araraquara, buscas de doações e viagens em geral”, informa Denise Paolinetti da Camara Minelli, superintendente do hospital. O presidente da Diretoria do hospital, João Carlos Marchesan, agradeceu. “Registramos nosso agradecimento ao Galli. Não é a primeira vez que a Família Galli nos ajuda. Esse veículo será de grande utilidade para diversas atividades do Banco de Leite. Não fosse a amizade do Galli com o procurador Ronaldo Lira, não teríamos sido beneficiados”. “A vontade da Família Galli é ajudar de acordo com o que for possível a Matão, suas instituições, entidades, enfim, ajudar a nossa gente. Ajudamos porque está ao nosso alcance e – nesse contexto – não mediremos esforços”, sintetiza Galli. Na ocasião, João Marchesan solicitou apoio de Galli através do mesmo mecanismo junto ao mencionado MPT para tentar angariar recursos financeiros para a expansão do Setor de Hemodiálise do hospital. Também informou que o Centro de Convivência do hospital -em providência – receberá a denominação de Magnoris Maurutto Galli (‘Dona Didi’), mãe de Galli. Além dos nomes citados, participaram da solenidade de recebimento da chave – feita por Galli a João Carlos -, Reginaldo Vedoato (vice-presidente do hospital), Roberto Luiz Cadioli (Rô, diretor administrativo) e José Carlos Chiozzini (Carlão, diretor-secretário), Luiz José Cerqueira (diretor clínico).

Show de Talentos encerra campanha de incentivo a doação de órgãos

No último dia 27, o Hospital ‘Carlos Fernando Malzoni’, por meio da Comissão Intra Hospitalar de Transplantes de Órgãos e Tecidos, com apoio dos ‘Amigos da Saúde’, realizou a segunda edição do Show de Talentos em frente a fachada histórica do hospital. O evento encerrou a programação do ‘Setembro Verde’- mês de conscientização sobre a importância da doação de órgãos e tecidos. O presidente da Diretoria Executiva do Hospital João Marchesan, fez questão de chamar todos no palco e fazer um agradecimento àqueles que voluntariamente colaboram com a instituição “Agradeço a todos vocês voluntários, ao Dr. César, um grande entusiasta que está a frente de eventos de prevenção ao AVC, e esse evento de incentivo à doação de órgãos conduzido pela Dra. Liliana. Agradeço pelo trabalho que vocês fazem, um trabalho descompromissado, voluntário. É o único hospital da cidade e um hospital que cada dia evolui mais, devido as pessoas que estão aqui dentro e que se empenham em fazer um bom trabalho e prestar um bom serviço à população”, diz. Denise Minelli também agradeceu as comissões pela realização do evento e falou da importância das famílias no processo de doação. “É extremamente importante esse trabalho de conscientização sobre a doação de órgãos. Não somos nós que doamos, são os nossos familiares, então temos que conversar com nossa família sobre este assunto. Saber se o membro da família tem ou não o desejo de ser um doador, isso é um fator decisivo, porque muitas vezes a pessoa quer doar seus órgãos, mas nunca falou do seu desejo aos seus familiares. E para concluir quero dizer que usamos a música para tratar este assunto tão delicado de maneira mais leve e as comissões estão de parabéns”, enfatiza. Dr. César Minelli ressaltou do trabalho voluntário da diretoria executiva. “Agradeço a presença de todos que foram nos prestigiar. Sem dúvida foram momentos muito especiais para todos nós do hospital. Quero fazer um agradecimento especial e parabenizar uma pessoa que desde 1987 vem fazendo um trabalho voluntário no hospital, contribuindo com toda sua experiência empresarial e com sua responsabilidade social com a nossa comunidade que é o João Marchesan. Aproveito esta oportunidade para agradecer ao João e parabenizar por sua dedicação , pois está toda semana participando das nossas reuniões, incentivando e colaborando com o progresso do nosso hospital”. A coordenadora do CIHT, Dra. Liliana Tiemi Ujikawa, agradeceu a todos pela parceira. “ O evento contou com apresentações artísticas de qualidade e uniu os médicos e colaboradores do Hospital para divulgar a importância da doação de órgãos e tecidos. Agradecemos a comissão ‘Amigos da Saúde’, a administração do Hospital Carlos Fernando Malzoni , o projeto ‘Luz’ do Rotary Club , nossas colaboradoras na divulgação Gabriela Pereira e Carla Kamel , e a generosidade das irmãs Natália , Maísa e Nádia Paganini , que gravaram um depoimento emocionante sobre doação de órgãos”.

Hospital de Matão tem pesquisa publicada em revista internacional de grande repercussão no meio científico

Estudo sobre incidência e mortalidade de AVC em Matão foi coordenado pelo neurologista Dr. César Minelli

No último dia 4 de outubro, a revista internacional Neuro Epidemiology publicou a pesquisa intitulada “Trends in the Incidence and Mortality of Stroke in Matão: The Matão Preventing Stroke (MAPS) Study”, traduzindo, “Tendências da Incidência e Mortalidade de AVC em Matão: Estudo MAPA – Matão Prevenindo o AVC.” A pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Prevenção e Pesquisa “Você sem AVC”, antigo Centro Neurológico de Pesquisa e Reabilitação, teve como parceiro o Hospital Carlos Fernando Malzoni e foi coordenada pelo neurologista Dr. César Minelli junto com os pesquisadores Norberto Luiz Cabral, Liliana Tiene Ujikawa, Flávio Antônio Borsetti Neto, Esther Maria Langhi Chiozzini, Geraldo Cássio dos Reis, Lucileni Aparecida Borin e Caroline Cristine Carvalho. A revista Neuro Epidemiology tem circulação mundial e é considerada um veículo de alto impacto no meio científico, pois publica somente trabalhos de excelência. O estudo populacional prospectivo, baseado em comunidade MAPA -Matão Prevenindo o AVC- comparou as taxas de incidência e mortalidade por AVC em Matão, entre dois períodos, 2003/2004 e 2015/2016 para saber se houve aumento ou diminuição nas taxas ajustadas por idade de incidência e mortalidade de pessoas com AVC em Matão entre os dois períodos citados. Nesta pesquisa, todos os pacientes que sofreram o primeiro AVC no período de um ano, entre 1 de agosto de 2015 e 31 de julho de 2016 foram acompanhados por mais 12 meses para obter informações sobre complicações e sequelas após o AVC. Os dados obtidos foram comparados com as informações coletadas com a mesma metodologia no período de 2003/4. O resultado foi que houve uma diminuição de novos casos de AVC, bem como a diminuição de mortalidade neste intervalo de 12 anos. “Isso mostra que todo o trabalho que realizamos de prevenção, campanhas, eventos, atendimento intra hospitalar e controle de fatores de risco, surtiram efeito” enfatiza o médico. César acrescenta que foi observado também a diminuição da mortalidade de pacientes durante os primeiros trinta dias. “Quando avaliamos mortalidade nos primeiros trintas dias, estamos avaliando a qualidade do atendimento intra hospitalar e, a partir daí, chegamos a conclusão de que houve melhora do atendimento que está sendo dado na fase aguda do paciente com AVC. Essa pesquisa sugeriu que uma das razões para a redução da incidência de AVC na cidade pode ter sido devido a uma melhor medicina preventiva, já que no período de 2003/4 apenas 3% da população da cidade tinha a cobertura do Programa Estratégia de Saúde da Família, enquanto que no período de 2015/16 a cobertura atingia mais de 50% da cidade”,explica. Segundo o pesquisador, o próximo passo é saber como está a evolução contínua da incidência e mortalidade de AVC nos últimos 5 anos.“Estamos iniciando a análise estatística das informações obtidas continuamente de 2015 a 2019. Isso possibilitará uma análise das taxas de incidência e mortalidade sem interrupções. É um privilégio para a saúde de Matão, porque apenas duas cidades no Brasil têm informações com essa precisão”, finaliza.

X